14 de jun de 2014

Resenha - Réquiem + Quotes

(...) sempre, e para sempre. 
Derrubem os muros.
Réquiem, pág. 303 


Vocês leram as resenhas de Delírio e Pandemônio da Iara e devem estar estranhando que a resenha do livro que encerra trilogia é minha. O negócio é que eu gostei tanto do livro que tive que fazer a resenha eu mesma.


Livro: Réquiem
Autora: Lauren Oliver
Editora: Intríseca

Ao contrário dos livros anterios, em Requiém a história é contada sob pontos de vistas diferentes: dos Inválidos por Lena, e dos Curados por Hana. E as coisas boas já começam aí. Nos primeiros livros ficamos sabendo de tudo sob o ponto de vista de uma pessoa que não passou pela intervenção, e aqui temos a oportunidade de conhecer o outro lado.

Tanto no lado curado quanto na Selva, o clima é tenso. Os reguladores romperam a linha imaginária que separava o mundo curado daquele doente, estão entrando na Selva, e ninguém mais está seguro. Lena, está na Selva depois do ocorrido em Nova York e ao mesmo tempo em que enfrente uma luta diária pela sobrevivência, vai tentando organizar seus sentimentos em relação a Alex e Julian. Enquanto Hana, a nova narradora está se preparando para o seu casamento com o filho do prefeito, Fred Hargrove, que em breve será o prefeito de Portland

Hana, apesar de curada é assombrada por sonhos e por sentimentos de culpa que deveriam ter sido eliminados após a cura mas, apesar de todas as mudanças em seu temperamento e em seus sentimentos, ao que parece a cura não funcionou completa e perfeitamente como deveria. E por vezes a vemos questionando a cura, já que esta deveria lhe trazer a paz eterna e não é o que está acontecendo.

Lena, também vive seus dilemas. Ela escolheu o caminho da liberdade, no entanto esse caminho implica viver nas sombras, se escondendo, encurralados como animais, perseguidos. Será que é isso mesmo que é ser livre? é um questionamento que faz constantemente. 

Pra mim Lena só evolui. De uma menina tímida e covarde para uma combatente que sempre se põe na linha de frente. Que não foge, que encara tudo e todos. No começo eu estava começando a me irritar com o triângulo amoroso_ o clichê de todo livro teen_ mas, pela primeira vez consegui compreender a confusão de sentimentos que dificultam Lena escolher logo um dos garotos. De um lado tem Alex que a salvou, que abriu mão de tudo por ela, que lhe mostrou o amor. Do outro tem Julian, o garoto que ela salvou, pelo qual lutou, que fez reascender nela o amor. E de repente ela tem os dois e tudo isso no meio de uma guerra.
E além de tudo ainda tem a sua mãe. Que age como se não a conhecesse. Como se entre as duas nunca tivesse existido nada.

Enquanto Lena ganhou meu respeito, fiquei com ódio de Hana (e sei que não fui a única), mas também fiquei com seus medos. Medo que deveria ter sido eliminado pela cura. E fiquei confusa e angustiada com a Lena. Porque raios a mãe dela não falava com ela? porque aquilo tudo não se esclarecia de uma vez?
Era algo sufocante durante a leitura em uma madrugada fria. 

Eu amei Delírio e achei Pandemônio meio fraquinho mas, em Requiém Lauren Oliver me surpreendeu. Ela soube casar a tensão da guerra com os sentimentos e conflitos dos personagens de uma forma que fez o enredo se desenvolver ligando cada fala, cada acontecimento. E ter ora a visão de Lena, ora a de Hana, faz a tensão da história se tornar um pouco nossa. Toda a confusão de sentimentos, a culpa, a vingança, o amor, o não se importar, é tudo tão intenso, tão vivo, que parece por vezes tangível. 

Lauren, nos faz ficar decididamente em dúvida quanto à liberdade. Somos livres inclusive para escolher o que é errado. E se realmente precisamos de algo que nos controle? De alguém nos diga o que fazer? É atormentador! Nossa escolhas, por mais nossas que sejam, acabam impactando a vidas das pessoas ao nosso redor. É inevitável.

Eu não conseguia de forma alguma imaginar um final pra essa trilogia mas, ainda assim achei o desfecho de Lauren surpreendente. É porque apesar de assustadora, é a liberdade o que todos queremos. 
Como em toda guerra há os mortos, os feridos e os sobreviventes, e apesar dos resistentes conseguirem vencer, não dá pra saber o que vem depois. Fiquei curiosa, porque afinal, como eles iriam reorganizar o governo? E nas outras partes do país, quem será que venceu? Mas essa é a questão, não sabemos o que há do outro lado do muro. Pode ser o paraíso ou a destruição.

♠♠♠

Quotes

“Mas escolhemos um caminho diferente. E, no fim das contas, este é o motivo para fugirmos da cura: somos livres para escolher
Somos livres inclusive para escolher o que é errado”.  (Lena, pág. 24)

"Não temos escolha além de seguir em frente, e seguir em frente de novo, e depois seguir em frente de novo; de repente, nos vemos em uma estrada que não escolhemos." (Lena, pág. 143)

"A raiva é uma lama densa e escura, uma maré crescente no meu e na minha garganta." Lena, pág. 164

"E ninguém ama, não inteiramente, se não for amado também." (Lena, pág. 230)

"E os ricos ficam mais ricos, enquanto os pobres são espremidos em vielas estreitas e apartamentos pequenos, engolindo a história de que serão protegidos e a promessa de que serão recompensados no céu por sua obediência. A servidão é chamada de segurança." (Lena, pág. 278)

"Por um segundo tenho uma sensação avassaladora de dor: pela forma como as coisas mudam, por nunca voltarmos." (Lena, pág. 302)

"Uma frase, um trecho proibido de um texto que Graúna me mostrou uma vez, volta à minha cabeça: Quem pula pode cair, mas também pode voar.

É hora de pular." (Lena, pág. 303)

"Derrubem os muros.
Afinal, essa é a questão. Não sabemos o que vai acontecer se derrubarmos os muros; não dá ver pra ver o outro lado, não dá pra saber se teremos liberdade ou ruína, resolução ou caos. Pode ser o paraíso ou a destruição." (Lena, pág 303)


Eu sei. Só tem quote da Lena. Ah ! fazer o quê neh, gosto mais dela.
Aguardem que vai ter um post sobre a séria............ que foi rejeitada pela Fox.


Kiss bye!


2 comentários:

  1. Olá Juli...

    Que saudade de ler as suas resenhas..

    Eu li Delírio a pouco tempo e confesso que esperava mais, bem mais, pensei em desistir inúmeras vezes, só que depois que cheguei ao final do livro fiquei com uma vontade louca de terminara trilogia que pelo que parece termina muito bem..

    Não sei nada desse Julian, mas eu adoro o Alex e já tenho minha torcida antecipada.

    Beijos
    http://osuficientee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Thayza!

      Então também sou #TeamAlex 4ever mas, o Julian até que é um carinha legal.
      A trilogia é perfeita. Oliver não me decepcionou, não gostei muito de Pandemônio porém Requiem trouxe toda a magia e a beleza de Delírio de volta. E como eu não sou super fã de finais felizes, achei fantástico o rumo que ela deu à história!
      Vai por mim, vale muito à pena ler os outros livros!

      Bjos

      Excluir